Sobre o Blog

Blog sobre o Vale do Amanhecer, Doutrina concebida pela Espiritualidade Maior e executada por Neiva Chaves Zelaya, um Espírito de Luz Altíssima, conhecido nos Planos Superiores por Agla Koatay 108. O Vale recebe pessoas sem distinção para solução de problemas espirituais. Nada cobra de seus pacientes e nem exige frequência. Temas espirituais diversos são tratados aqui. Vicente Filgueira, Adjunto Esdalvo - Jornalista (Registro Profissional Fenaj 274/03/38§ v/DRTGo-01364-SJP)


Marcadores

Meus Gostos e meus Desgostos

Publico aqui por gostar muito desta produção literária. É do professor Felipe Miranda, publicada no Facebook:

"Abordo aturdido andarilhos que encontro no caminho, nas estradas, com a esperança de que tenham alguma notícia minha. Ao que me respondem: “nunca vi mais gordo”. Seguem, sem pressa, porque só precisam ir. Nasci com a vontade de derrubar uma porta com o pé. Poderia apenas girar o trinco, pois provavelmente estará aberta, mas é preciso que ela vá ao chão. Saiba que não existe dissimulação. Isso aqui é sobre isso aqui. E viver é recortar nas fotografias aqueles que ficaram para trás. Não há quadros tortos na parede, nem cartazes de cartomantes nos pontos de ônibus, nem poesia nos velórios, e todo o resto é uma coisa só, cada clique, cada palavra, cada traço ou movimento, não existe muro que os separe."
____
Texto acima transcrito em 28 de julho de 2014.
__________________________________________

Da minha antiga amiga e só agora descoberta como talento: Ana Miranda. De Maia, Portugal:

Incertezas

INCERTEZA É
O medo de tentar e nao conseguir
falta de coragem ou nao perceber que se é corajoso
estar no meio da ponte e nao saber qual o caminho a escolher
ser detentor de tudo e achar que nada tem
é a  estrada mais longa que por nosso erro assim se tornou
é a falta de fé
a credibilidade que damos aos outros sem primeiro dar a nós mesmos
incerteza é a própria incerteza


"Por tanto amor, por tanta emoção, a vida me fez assim. Doce ou atroz, Manso ou feroz, eu, caçador de mim”.
Milton Nascimento

"eu preciso andar
um caminho só
vou buscar alguém
que eu nem sei quem sou"
Los Hermanos.

Meus heróis  morreram quase  todos
e agora já me esperam pois a morte, sabemos, é apenas
um estágio da vida. Depois, o vazio à espera de um
disputado reencarne, sempre pela graça de Deus e sempre
para resgatar débitos que deixamos no nosso passado,
débitos que formam a nossa ancestralidade e, mais
importante, a nossa transcendentalidade. (Vicente Filgueira).
_________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

Luz da Excelência

Zé Ramalho

Todos os caminhos me levaram a você
Oh, luz da excelência
Aonde me encontrou
És a última das entidades, e tem mais
Não negarás o vício
Nem fecharás a mão
Ó, meu único delírio
(Bis-) Anda
Não vês que a amas e que queres com desejo
É a luz!
Como se fosse a última lembrança
Pense um pouco mais em nós
Somos o que somos
Nada mais temos a dar
A não ser o precipício
E nunca mergulhou!



Terra

Quando eu me encontrava preso
Na cela de uma cadeia
Foi que vi pela primeira vez
As tais fotografias
Em que apareces inteira
Porém lá não estavas nua
E sim coberta de nuvens...

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?...

Ninguém supõe a morena
Dentro da estrela azulada
Na vertigem do cinema
Mando um abraço prá ti
Pequenina como se eu fosse
O saudoso poeta
E fosses a Paraíba...

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?...

Eu estou apaixonado
Por uma menina terra
Signo de elemneto terra
Do mar se diz terra à vista
Terra para o pé firmeza
Terra para a mão carícia
Outros astros lhe são guia...

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?...

Eu sou um leão de fogo
Sem ti me consumiria
A mim mesmo eternamente
E de nada valeria
Acontecer de eu ser gente
E gente é outra alegria
Diferente das estrelas...

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?...

De onde nem tempo, nem espaço
Que a força mãe dê coragem
Prá gente te dar carinho
Durante toda a viagem
Que realizas do nada
Através do qual carregas
O nome da tua carne...

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?...

Na sacada dos sobrados
Das cenas do Salvador
Há lembranças de donzelas
Do tempo do Imperador
Tudo, tudo na Bahia
Faz a gente querer bem
A Bahia tem um jeito...

Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria?
Terra!

Meu Eu em Você

Paula Fernandes

(Publiquei por gostar da simplicidade da música, da letra)
Eu sou o brilho dos teus olhos ao me olhar
Sou o teu sorriso ao ganhar um beijo meu
Eu sou teu corpo inteiro a se arrepiar
Quando em meus braços você se acolheu
Eu sou o teu segredo mais oculto
Teu desejo mais profundo, teu querer
Tua fome de prazer, sem disfarçar
Sou a fonte de alegria, sou o teu sonhar
Eu sou a tua sombra, eu sou teu guia
Sou teu luar em plena luz do dia
Sou tua pele, proteção, sou teu calor
Eu sou teu cheiro a perfumar o nosso amor
Eu sou tua saudade reprimida
Sou teu sangrar ao ver minha partida
Sou teu peito a apelar gritar de dor
Ao se ver ainda mais distante do meu amor
Sou teu ego, tua alma
Sou teu céu, o teu inferno, a tua calma
Eu sou teu tudo, sou teu nada
Sou apenas a tua amada
Eu sou teu mundo, sou teu poder
Sou tua vida, sou meu eu em você

Todas as Noites
Capital Inicial


Todas as noites são iguais
Os meninos satisfeitos
E as meninas querem mais
Sonhos caem como chuva
E é tarde demais
E eu não consigo dizer não

Hoje à noite tudo pode acontecer

Quem olhar nos olhos
Vê bares e sedução
Num canto escuro
Pequenos goles de solidão
A noite esclarece o que o dia escondeu...
O que o dia escondeu...

Meia noite, noite inteira
3, 4, 5 da manhã
Eu vou embora mas eu
Sempre volto atrás
Porque as noites são todas iguais
Todas iguais

Todas as noites são iguais
De longe os disfarces
Parecem reais
Mãos me vestem como luva
É tarde demais
E eu não consigo dizer não

Hoje à noite é cedo até amanhecer
Quem olhar nos olhos
Vê estrelas no chão
Num canto escuro
Pequenos goles de solidão
A noite esclarece o que o dia escondeu...
O que o dia escondeu

Meia noite, noite inteira
3, 4, 5 da manhã
Eu vou embora mas eu
Sempre volto atrás
Porque as noites são todas iguais
Todas iguais ná, ná, ná...

Meia noite, noite inteira
3, 4, 5 da manhã
Eu vou embora mas eu
Sempre volto atrás
Porque as noites são todas iguais


Publiquei esta foto hoje, quinta-feira, 20 de dezembro de 2012
e tem seu direito autoral: B. Tokarshyk

Tem que se escrever em preto e branco mesmo. O momento é próprio, pois o país está envergonhado de tantas mazelas políticas que são descobertas a cada avanço das investigações dos muitos processos gerados a partir do desmembramento de ações, inclusive, envolvendo o ex-presidente da República. Queremos crer que tudo não passa de um "mal entendido" contra Lula, mas somente a ele cabe as explicações, se é que possam existir. Tomara que o espírito do Bin Laden  e nem os seus seguidores vejam esta foto.


Que Pais É Esse?
Capital Inicial



Nas favelas e no senado
Sujeira prá todo lado
Ninguém respeita
A constituição
Mas todos acreditam
No futuro da nação...

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

Na Amazônia
E no Araguaia
e na baixada fluminense
No Mato grosso
Minas Gerais
E no Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso
Mas o sangue anda solto
Manchando os papeis
Documentos fiéis
Ao descanso do patrão...

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

Terceiro mundo se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
e vamos faturar um milhão
Quando vendemos todas as almas
Dos nossos índios um leilão...

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?...(2x)


Tempo na ampulheta da vida... verdadeiro amigo
que tem por missão designada por Deus 

enxugar as lágrimas, 
estancar o sangue
e promover o esquecimento 
das nossas 
dores...
Vicente Filgueira - Jornalista, Editor de Conteúdos
Depois de uma incursão incansável por três décadas respirando o ar das redações, tragando golfadas de fumaça dos meus cigarros e dos cigarros dos colegas e das colegas, de charutos e de tabacos aromatizados dos cachimbos ingleses e holandeses dos redatores antigos, com substâncias estupefacientes que causavam torpor; de conviver nas madrugadas com o tilintar das máquinas dos telex das agências de notícias e das telefotos; da busca diária pelas reportagens que, teoricamente, me engrandeciam o nome, renderiam manchetes de edições, o que faço, atualmente, é o meu preparo para uma vida comprometida com a centelha divina do meu eu, mas sem o fanatismo como meu ópio. Há a busca do despojar-se para os acontecimentos que, embora complexos aos olhos de todos, não passam de cotidianos na visão espiritual, entre resgates cármicos e a constante busca pelas heranças transcendentais. As dores que me afligiram por não saber amar deixaram marcas, muitas delas indeléveis, mas todas inevitáveis à modelagem da minha alma. Todas as dores necessárias para a retomada de uma consciência sentida eu reuni. Sofri a princípio sem grandes rasgos na alma, mas sempre eternizados no plexo físico que eu preparava. Tudo pela ausência dos privilégios do espírito e pela dureza do coração. Pela magia do livre arbítrio, passei pela arrogância; galguei trôpego a satisfação dos desejos formados pelo físico sob a escassa iluminação dos lustres e dos castiçais de metal dourado desgastados pelo tempo e que integravam os cabarés; satisfazia as vontades do ego nos quartos ensebados com camas de lençois desbotados em cada canto, em cada porto que chegava. Mulheres, mulheres ávidas mecanicamente pelo dinheiro. Portadoras dos carmas que eu adquiria através de cada jato. Vendiam os prazeres que limitavam sob as cortinas que estabeleciam o limite entre a vida e a morte. O dinheiro jogado na mesa delimitava o quanto de prazeres podia-se comprar, Pagava também pelas risadas, pela companhia e pelos beijos inebriantes que deixavam a alma flutuar no absinto que mesclava o ar. Pagava pela beleza inconstante e pela bebida mais causticante. Eram atos que me entorpeciam a alma e me transbordavam em calma. Eu não via, eu não sabia, eu mesmo me tapava. Meus olhos não podiam ver, meu peito não podia conter. Eram as mulheres que me transportavam para as minhas oníricas passagens palacianas!... Comprava aquilo que me trazia a presença do que acreditava ser as minhas origens. Saía do corpo e visitava os palácios no Delta do Nilo. Mulheres que dançavam quase nuas para alegrar minhas vistas embaçadas pelo açoite do vento. Quanta ilusão comprada,quanto tempo iludido. Era uma prática diária, luz da razão que se distanciava. Hoje, arrependido pelos atos de um tempo em que eu não sabia amar - apenas comprar - busco o reparo do passado e, assim, deixando fluir por real os meus novos sentimentos para que possam me iluminar os caminhos, estou sempre presente com uma palavra de estímulo e um aconselhamento espiritual. Quanto tempo perdido com as mulheres compradas, tempo em que a soberba e a hipocrisia me faziam um joguete das ilusões da vida. Hoje, contudo, há o reparo na consciência e a dedicação ao trabalho doutrinário. Aprendi a respeitar o tempo e a aceitá-lo como um amigo, pois somente ele é capaz de retirar da gente a dor que rasga a alma, e a reparar a consciência para superar a perda dos nossos ideais. Dor... Oh dor que nos dilacera o coração, expõe nossas feridas e finda a nossa alegria... Como és importante, preponderante e indispensável na modelagem dos nossos espíritos. És minha amiga, dor, mas, por favor, abandone-me de vez. Não quero mais suportar a sua companhia. O tempo se encarregou de retirá-la, isolando-a do meu ser. Não sou ingrato, dor, mas respeite o ritmo imposto pela razão. Deixe que eu rejuvenesça, seu reinado findou, não tem mais razão que permaneça. Te agradeço por me chamar à razão, mas saia por favor. Meu coração já não é mais a pedra dura a me reger, você conseguiu lapidar esta bomba vital que tenho em meu peito e que mantém meu sangue em constante movimento. Assim, aprendi a retirar de mim o que não gosto de ver nos outros: a hipocrisia, a prepotência, a soberba, a avareza, a sublimação e a subestimação dos seres... Aprendo com meus próprios erros praticados e com aqueles que não cheguei a cometer por ouvir ainda a voz do meu subconsciente. Os erros das pessoas serviram-me de parâmetros. Afinal, tudo está certo na evolução da vida na terra. Nada está errado, pois tudo faz parte de uma programação por nós assumida com Deus para o nosso reajuste cármico diante dos nossos cobradores transcendentais. São os que, pela liberdade das nossas mentes, tornaram-se as nossas vítimas do passado. Pela bondade divina, pela permanência da justiça, tenho a plena consciência de que prestarei contas centil por centil do que eu fiz e do que eu deixei de fazer nesta vida e nas sucessivas vidas com os erros que pratiquei por não saber amar. Hoje arrependido, humilde e calejado da minha transcendentalidade, deixo minhas feridas expostas para que os meus cobradores me vejam, me localizem e se vinguem por ainda estarem presos ao ódio e a dor constante, condição por mim escolhida como algoz dos  seus tristes destinos cármicos. Peço para que me perdoem e que me polpem a alma, não façam o que eu lhes fiz. Compreendam, eu não sabia amar e tinha muita terra no coração. Esqueci das grandes lições e de que eu deveria armar-me contra eu mesmo. Assim, a cada dia, as almas tristes perdoam e passam a enxergar a luz solar que já não fazia parte dos seus dias. Percebem a felicidade e o quanto erraram por insistir no ódio. Renascem e seguem a luz crística. Hoje, receio os meus atos e entendo que conheci homens tão pobres, mas tão pobres, que nada tinham além do dinheiro, como nos disse Irmã Dulce. Com cuidado, porém, ainda influenciado pelos vícios da carne, mas vigilante, procuro deixar meus trieiros terrestres varridos pelas boas ações que procuro agora executar no meu cotidiano. A pedra bruta que ainda habita em meu coração, aos poucos é burilada e para vencer nesta jornada um dia será finalmente lapidada. Procurei a companheira destinada, não uma santa; não uma desequilibrada ou uma mulher fanática, mas uma Ninfa Encantada sob a forma da minha mulher amada, aquela predestinada. Ela é filha da Lua, ela é o instrumento, o elo de ligação daquela que deu conforto às almas tristes, enclausuradas nos rasgos dos açoites mandados pelos grandes senhores do passado. Como sofreram nos cativeiros os que aprenderam a conviver com a dor!. Quero ao meu lado quem outrora aliviou as feridas rasgadas no meio das almas pelos chicotes que penetravam na carne e lançavam o sangue às lágrimas. Me situo, me reencontro com as princesas e minha Mãe Jurema, pois sou um filho Jaguar... Sou apenas um dos raios do Sol. Mas um raio que tem o poder de brilhar iluminando toda esta humanidade, sempre em busca do meu Sol interior para a harmonia dos Três Reinos da minha Natureza. Beijos na Alma da mulher amada!... Aquela que nem mesmo ainda conheço neste plano físico. Mas deverá ser aquela que não copia frases feitas para substituir a emanação que naturalmente fluiria do seu íntimo, resultando palavras próprias. Assim, dedico-me novo e renascido a você, linda Ninfa... dedico palavras que me brotam como sentimentos reais do meu ser, não o veu rasgado que me envolveu no passado e que de nada valeu para me servir de abrigo ou de tampão das vergonhas trazidas pelas ilusões da vida. Como é belo estar diante de si próprio e poder expressar a verdade no espelho da consciência - diante da nossa alma! - neste tribunal transcendental. Evolução espiritual é a minha nova e incessante busca, o que acontece há duas décadas que se interromperam em um passado recente... pena, mas está tudo certo, não há nada errado. Tudo faz parte da evolução e é assim que age o subconsciente, que poderia estar sempre presente e não amorfo, condenado a um cantinho limitado no cérebro. "O subconsciente é a compreensão de todos os conteúdos conscientes na larga trajetória do espírito durante o processo da sua evolução biológica e o seu evolver anímico; captação que registra e arquiva minuciosamente todos os pormenores de fatos ocorridos, deixando como síntese um pensamento orientado, um ensino proveitoso para o ser. É o progresso, a evolução. É o conhecimento que se acrescenta para aproveitamento ulterior", nos ensina Carlos Bernardo Loureiro. Ele diz, ainda, que "se falarmos do ser subconsciente referimo-nos ao espírito na sua função evolutiva, ao aspecto transcendente ou imanente do psiquismo". A imanência é um conceito religioso e metafísico que defende a existência de um ser supremo e divino (ou força) dentro do mundo físico. Entendo que dificilmente os seres que experimentam a vida em toda a sua essência não têm o poder de passar pela vida sem ter que descer ao fundo do ser para saber quanto mede o poço. Desci e pude ver: ele é tenebroso por ser tão profundo, é quase uma viagem sem retorno, mas é uma viagem inevitável ao aprimoramento espiritual. Desço  outra vez o poço das desilusões caso precise, mas, nesta vida, minha bagagem já está sendo formada para o dia da minha decisiva viagem. Na minha mala não haverá cigarros, charutos, café,  e nem torradas; não haverá bermuda, chinelos e nem dinheiro. Se ainda tivesse o carro que o ladrão levou - perdoei-o há muito tempo - eu não levaria as suas chaves também. Não quero sentir saudade do computador e nem vontade de ouvir as músicas que mais gosto. Aos poucos, vou me acostumando a não ter nada na bagagem. Nada que não sejam as sementes que vim buscar nesta vida. E as suas sementes, você já está ajuntando as suas? Eu não quero deixar nenhuma semente para trás. Teria que nascer outra vez para resgatá-la e isso, creio ser impossível nos planos crísticos evolutivos atuais.
No próximo texto vamos abordar o teor das sementes, quando também abordaremos a qualidade exigida de cada uma delas. Abraço do Vicente Filgueira. (jornalista.filgueira@gmail.com)

Olhem que letra linda, profunda... daquelas que tocam bem no fundo da alma da gente e percorrem a coluna vertebral. A música é de Nelson Cavaquinho e a interpretação é bastante variada,inclusive na voz de Maria Bethânia.


A flor e o espinho

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu so errei quando juntei minh'alma a sua
O sol não pode viver perto da lua
Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu so errei quando juntei minh'alma a sua
O sol não pode viver perto da lua
É no espelho que eu vejo a minha magoa
A minha dor e os meus olhos rasos d'agua
Eu na sua vida já fui uma flor
Hoje sou espinho em seu amor
Eu so errei quando juntei minh'alma a sua
O sol não pode viver perto da lua
Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Que eu quero passar com a minha dor
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Maria Rita, a pura essência de Ellis Regina:
"a verdade não rima"

¨

"de tanto eu te falar você subverteu o que era um sentimento, e assim,

fez dele razão, pra se perder no abismo que é pensar e sentir"

Los Hermanos



RC
"nunca mais você ouviu falar de mim,
mas eu continuei a ter você
Em toda esta saudade que ficou
Tanto tempo já passou e eu não te esqueci
Eu só queria lhe dizer que eu
Tentei deixar de amar, não consegui
Se alguma vez você pensar em mim
Não se esqueça de lembrar
que eu nunca te esqueci"
Se ao menos, tanta coisa que se
Vive junto não evaporasse assim
Se, ao menos, na hora dela me deixar
Precisasse um pouco mais de mim
Se, ao menos, no escuro eu
Conseguisse apagar
Dormir sem sonhar, apenas
Dormir sem sonhar?




Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e dizer uma coisa terrível, mas que tem que ser dita. Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e ouvir uma coisa terrível, que tem que ser ouvida. A vida é incontornável. A gente perde, leva porrada, é passado pra trás, cai. Dói, ai, doi demaais. Mas passa. Está vendo essa dor que agora samba no seu peito de salto agulha? Você ainda vai olhá-la no fundo dos olhos e rir da cara dela. Juro que estou falando a verdade. Eu não minto. Vai passar.



Tempo Perdido
Legião Urbana
Todos os dias quando acordo
Não tenho mais
O tempo que passou
Mas tenho muito tempo
Temos todo o tempo do mundo...
Todos os dias
Antes de dormir
Lembro e esqueço
Como foi o dia
Sempre em frente
Não temos tempo a perder...
Nosso suor sagrado
É bem mais belo
Que esse sangue amargo
E tão sério
E Selvagem! Selvagem!
Selvagem!...
Veja o sol
Dessa manhã tão cinza
A tempestade que chega
É da cor dos teus olhos
Castanhos...
Então me abraça forte
E diz mais uma vez
Que já estamos
Distantes de tudo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo
Temos nosso próprio tempo...
Não tenho medo do escuro
Mas deixe as luzes
Acesas agora
O que foi escondido
É o que se escondeu
E o que foi prometido
Ninguém prometeu
Nem foi tempo perdido
Somos tão jovens...
Tão Jovens! Tão Jovens!...
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Monte Castelo
Legião Urbana
Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.
É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom, não quer o mal,
Não sente inveja ou se envaidece.
O amor é o fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.
Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor eu nada seria.
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É um não contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder.
É um estar-se preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É um ter com quem nos mata a lealdade.
Tão contrário a si é o mesmo amor.
Estou acordado e todos dormem.
Todos dormem. Todos dormem.
Agora vejo em parte,
Mas então veremos face a face.
É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade.
Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.


Resposta ao pastor Valdeir 

 O senhor quer dizer, ou está dizendo que eu, com 24 anos de Doutrina do Amanhecer estou no caminho errado? Ah, que pena, joguei meu tempo fora, então, porque o que eu mais defendo, mais amo em toda a minha vida é o ensinamento deixado por Jesus Cristo. Acredito que o senhor não esteja expondo a sua convicção verdadeira ao afirmar que no Vale do Amanhecer nós os médiuns filiados não temos a preocupação com a palavra crística, que não nos preocupamos com Jesus Cristo e que Tia Neiva "não reconheceu Jesus como o Salvador, antes se aprofundou no ocultismo espiritualista constituindo uma doutrinação sincrética." Isso o senhor não pode falar porque jamais poderia provar. 

 Pastor Valdeir, todos os trabalhos no Vale do Amanhecer são abertos somente após se pedir permissão (pela ordem) "em nome de Deus Pai Todo Poderoso, de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Virgem Maria, de Pai Seta Branca e de Mãe Iara..", e o senhor sabe disso, então não poderia afirmar o que afirmara para os seus seguidores, não acha que tenha cometido uma injustiça, pastor? Me lembro muito bem de ter recebido o senhor e seus seguidores no Templo Mãe, estando também presentes os responsáveis pela Recepção Japuacy, Mestre João Nunes, Adjunto Valúrio, e Mestre Itamir, Adjunto Prerô. O texto abaixo, pastor Valdeir, é dedicado ao senhor e eu nunca deixara transparecer isso por questões éticas e pelo fato de nossa formação espiritual impedir que discutamos o nosso trabalho. 

A matéria "Assédio de pastor" está aqui postada há quase um ano e é dedicado ao senhor sim. Agora que vi o seu relato em http://www.missoesnacionais.org.br/noticias.asp?codNoticia=2164, passo a deixar claro que a publicação é realmente dedicada ao senhor. Reveja seus conceitos, pastor, pois esse negócio de arrebanhar 32 convertidos que seriam pertencentes à Doutrina não está bem explicado.Vamos procurar viver em paz, amar a Deus sobre todas as coisas e a Jesus como o filho dileto de Deus, tendo por lema e por princípio o que nossa Mãe Clarividente nos deixou - Amor, Humildade e Tolerância. Ah, antes que me esqueça, o Posto de Saúde, onde busquei hoje, 11 de janeiro de 2013, meus medicamentos específicos para glicemia, funciona sim!!! Como não? Se peguei meus medicamentos lá hoje, como disse. Então o senhor está faltando com a verdade mesmo! 

 Aliás, o Posto de Saúde é localizado a 20 metros da sua igreja, pastor Valdeir. No próximo dia 31 estarei lá para uma consulta marcada. Constate. Me encontre para apertarmos as mãos. Afinal, no Vale do Amanhecer nós não temos inimigos, mas apenas aqueles que acreditam serem nossos inimigos.Temos uma praça de esportes voltada para adolescentes, jovens e idosos, com aparelhos de ginástica. Eu não frequento por questões pessoais. O senhor também, não é mesmo? Quanto a uma biblioteca e programas sociais voltados ao jovem já não tem nada a ver com a Doutrina do Amanhecer, pois nosso objetivo é atender os nossos irmãos pacientes encarnados e desencarnados. Embora os itens pelo senhor listados sejam de competência da Administração Regional de Planaltina, temos a Biblioteca do Jaguar, onde, além de um acervo enorme de literatura específica da Doutrina deixada por Tia Neiva, há livros de todos os assuntos, com vasta publicação das editoras espíritas. Além disso, pastor Valdeir, temos na biblioteca alguns exemplares do livro mais lido, o mais importante de todos os tempos e que, com toda a certeza, o senhor conheça bem: a Bíblia. 
A Biblioteca do Jaguar é aberta a todos, integrantes ou não da Doutrina. Obrigado pela atenção. 
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/sozinho.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/lua-e-estrela.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/terra.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/qualquer-coisa.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/chao-da-praca.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/fora-de-ordem.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/lua-e-estrela.html
http://www.clickgratis.com.br/letras-de-musicas/caetano-veloso/you-dont-know-me.html