Sobre o Blog

Blog sobre o Vale do Amanhecer, Doutrina concebida pela Espiritualidade Maior e executada por Neiva Chaves Zelaya, um Espírito de Luz Altíssima, conhecido nos Planos Superiores por Agla Koatay 108. O Vale recebe pessoas sem distinção para solução de problemas espirituais. Nada cobra de seus pacientes e nem exige frequência. Temas espirituais diversos são tratados aqui. Vicente Filgueira, Adjunto Esdalvo - Jornalista (Registro Profissional Fenaj 274/03/38§ v/DRTGo-01364-SJP)


Marcadores

Vinícius psicografa poema

Sábado, 5 de fevereiro de 2012.
Poema de Vinícius de Moraes




Se a Alma não
for pequena...
Se ela é grande ela não emburra, não fere, não esmurra...
Se ela é grande ela não fala além do ponto,
Ela se cala e assume seu lado de possível erro
Não insiste em ser mais e nem melhor
Busca ser humilde, gentil, acertar quanto mais cedo
Cobrir seus dias de sentir, cuidar de si, do ser e do amor!
Se a alma é grande, ela perdoa, ela cuida da dor
Ela compreende, aceita os outros como são
Ela não teme, não se espanta, compadece-se daquele que está só
Sabe a origem dos percalços e dos nós
Da vida humana cheia de tantos desencontros
...ela só ama, irradia luz e Pronto !
Se a alma não for pequena ela se enternece...
Ela se agiganta para acudir quem não merece
Ela procura com suas lágrimas curar,
Salvar, acordar, se importar com aquele que a fere e que a esquece!
Se a alma não for pequena ela resume a história
Entende que tudo o que acontece faz parte da vida que é uma escola
Sabe que a vida é um lindo livro de memórias
E perdoa ..e ri das trágicas desditas
Se levanta pra sorrir sem mas inglórias
Não reclama, não humilha e o mal não facilita
Não perde o tempo em disputas que outro incita
E que perdura contra o rumo das vitórias !
Se a alma é grande ela vai ver a pequena
Ela ampara e busca ser uma semente
No canteiro de quem não quer acordar
Quer ser vítima de audaciosa falange
Que rastreia seus impulsos... e a ela mente...
Se a alma é grande ela dá sinais e não se esconde
Ela procura ser a luz ao que está cego
Ela é sublime...ela sorri, pede ao Pai que abençoe
Seus irmãos que nem sabem que é tão simples
Cair sem ver, sem se cuidar, falando em Fonte...
Ela fala a quem não vê e não concebe
Que seus dias são de negras noites...
São seus testes e disso não se apercebe...
Ela busca despertar para uma ascese
Muitas almas com princípios de meu Deus
Não se cansa, só labora, luta e ora 
Por todos os irmãos seus
E só clama mais amor em linda prece !
Se a alma não for pequena ela vai entender
Que não pode mais tentar se defender
De si mesmo e tudo o que lhe espreita a alma
Que precisa da grandeza de atitude
De humildar, agradecer e arrepender...
Se a alma não for pequena ela se encolhe
Ela procura chorar ao Pai e meditar
Ela concebe que algo está a acontecer
Ela analisa e pede ao Pai:- Onde eu errei?
Ela ajoelha e diz a si : que ingratidão !
Meu Deus, me salve...eu preciso da tua mão !
E se ela realmente for grande
Ela se cala e somente compreende
Sem redarguir, sem difamar, sem atacar
Apenas sente que dos céus, em emoção
Quem partiu e deixou filhos na inação
Pede amparo ao que teima em ser maior
Quer ser mais, além da sua condição
Quer ser mais do que Deus na amplidão
E fica menos ante aqueles que só vivem
Sempre amando e plantando sem queixar
Muitas luzes para o mundo acordar
E para seres como ele...ajudar !

Vinicius de Moraes
( ladeado pelos espíritos de Alzira e Etelvina )
Mensagem psicografada por Rosane Amantéa em 05 de fevereiro de 2011.

O Vinícius, ao lado do Toquinho e do Chico Buarque e Francis Hime, sempre foi meu ídolo, meu ponto forte de referências culturais. Quem não se lembra de


Para viver um Grande Amor

Para viver um grande amor, preciso
É muita concentração e muito siso
Muita seriedade e pouco riso
Para viver um grande amor
Para viver um grande amor, mister
É ser um homem de uma só mulher
Pois ser de muitas - poxa! - é pra quem quer
Nem tem nenhum valor
Para viver um grande amor, primeiro
É preciso sagrar-se cavalheiro
E ser de sua dama por inteiro
Seja lá como for
Há que fazer do corpo uma morada
Onde clausure-se a mulher amada
E postar-se de fora com uma espada
Para viver um grande amor

Lembrar Vinicius... como é bom lembrar Vinicius. Que falta ele faz!...
Ah, se a receita do poeta fosse tão fácil para se adaptar à dura realidade
dos simples mortais... assim, sem aprender o caminho, vou vivendo depois
de experimentar a descida para saber quanto mede o poço. (Vicente Filgueira).












2011Rosane Amantéa 


Esta mensagem pode ser compartilhada desde que os direitos autorais sejam respeitados citando o autor e o link 




Obrigada por incluir o link do site do autor quando repassar essa mensagem